Donos do site MEGA FILMES HD dizem que não fizeram mal a ninguém

35 Views

Os donos do site Mega filmes HD, que disponibilizava pela internet filmes e séries de forma ilegal, disseram em entrevista para o G1 e TV TEM, nesta segunda-feira (30), que não sabiam que o caso era tão grave. “Foi um crime contra a indústria de filmes, mas não fizemos mal a ninguém”, comentou Marcos Cardoso, junto com sua companheira, Thalita Cardoso. O casal deixou a prisão no sábado (28).

Os dois foram presos em 18 de novembro, em Cerquilho (SP), durante ação chamada “Barba Negra”, da Polícia Federal em Sorocaba (SP). A dupla é suspeita de crimes de violação de direito autoral (pirataria) e associação criminosa. “Eu não sabia que era crime. Cada país tem suas leis sobre isso. E para mim, aqui no Brasil, isso não era crime. Tanto é que eu nunca tinha visto ninguém ser preso por isso.”

O casal que gerenciava o site teve a prisão temporária de cinco dias renovada em 23 de novembro. Eles foram liberados após ficarem dez dias detidos.

Segundo a Polícia Federal, eles chegaram a lucrar até R$ 70 mil por mês, com as 60 milhões de visualizações mensais. Durante a entrevista no escritório do advogado do casal, Thiago Bellucci, Marcos e Thalita afirmaram que já entregaram à polícia os contatos de uma agência de publicidade que pagava pelos espaços no site. “A agência recebia dos anunciantes e repassava parte desses valores para a gente pelos ‘boxes’ de publicidade”, afirma.

O Mega Filmes HD começou a funcionar em 2011, ano em que Marcos diz que voltou do Japão e montou algo parecido com o que viu por lá. “Eu morei no Japão por 13 anos até 2011 e lá descobri esses sites. Gosto de computadores desde a época da internet discada, e fiz no Brasil a mesma coisa que vi no Japão quando cheguei. Minha intenção não era ser o maior site do tipo no país, cresceu muito rápido”, fala.

Segundo o advogado do casal, não havia organização criminosa. “Como eles estão sendo acusados de organização criminosa, também estão vendo se há outros participantes que, de algum modo, se vinculavam a eles para manutenção do site. Essa é a tese da defesa, de que não havia essa ligação com demais pessoas. Cada um trabalhava por si, cada um era responsável por seu ato e não havia uma organização criminosa”, diz Bellucci. Outras pessoas em Campinas (SP) e Ipatinga (MG) também foram presas.

‘Não era de download’
Ainda segundo Marcos, o site que gerenciava não era de download de filmes, mas sim de ‘streaming’ – visualização on-line. “É tudo link de terceiro. A gente pega os links na internet e posta. O site nunca hospedou nada, nunca hospedou nenhum filme. Tanto é que o site é de streaming, não é para baixar. O site nunca foi de download.”

O casal diz que ainda os dois sites chamados Mega Filmes HD que estão no ar não têm relação com eles. “Já entregamos o login e senha do nosso site no dia da prisão e os sites que ainda existem não tem nada a ver com a gente, até porque foram lançados quando ainda estávamos presos. A gente não tem nada a ver, tanto é que eu parei mesmo. Para mim, isso aí acabou. Eu quero que corra todo o processo logo, porque isso para mim está sendo um pesadelo”, alega.

Dinheiro e hobby
“A gente começou a ganhar dinheiro pouco tempo atrás. Começou por hobby. Não pensava que iria chegar num ponto que era ganhar bem. Não tinha essa pretensão”, comenta sem revelar o quanto ganhou.

Mesmo assim, o casal afirma que ainda vive em casa de aluguel e que só conseguiu comprar dois carros com os valores recebidos (todos os carros foram apreendidos pela polícia). No Facebook, o casal publicava fotos de encontros de colecionadores de carros e”ostentavam” um Volkswagen Jetta tunado.

“Tinhamos quatro carros, o ‘Jettão’ comprado com dinheiro do meu trabalho no Japão, outro financiado e dois carros com dinheiro do site. Entre eles o BMW, que apesar da marca, custou R$ 75 mil. É que o valor dependia de cada mês e a grande quantia só começou este ano, antes não era tanto. Quando começamos a receber muito, ‘torramos’ com baladas. Mas foi um dinheiro amaldiçoado, que não nos levou a nada. Agora meu nome está sujo e não sei como conseguir emprego”, afirma Cardoso.

Casamento desmarcado e nova vida
Com a prisão em 18 de novembro, o casal não pôde participar do próprio casamento, como conta Marcos. Ele e Thalita estão em união estável e iriam oficializar o relacionamento no último sábado (28), afirmam. “O site atrasou nossos planos. Estamos vendo com fornecedores e nosso advogado para não perdemos o que foi investido”, diz Thalita.

Segundo eles, R$ 25 mil que seriam utilizados para pagar a festa do casamento foi o único valor apreendido pela PF. As contas dos suspeitos foram bloqueadas, mas não tinha dinheiro nelas, dizem. “Sentimos vergonha pelo o que fizemos. Muita vergonha. Imaginei que o site iria acabar, mas não que meu nome e rosto ficariam conhecidos por isso. Nunca mais vou mexer com isso, até peguei trauma da internet agora”, diz Marcos.

O casal planeja continuar em Cerquilho, cidade da família de Thalita. Vão esperar pelo fim das investigações e pretendem recomeçar com novos empregos. “Espero que tudo isso passe o mais rápido possível, que toda investigação acabe e eu volte à minha vida normal. Tem até pessoas que me perguntam quando o site vai voltar e já digo que nunca mais. Já trabalhei com muita coisa, no Japão era 12 horas por dia, sempre trabalhei”, finaliza.

Suspeitos respondem pelos crimes em liberdade após ficarem dez dias presos (Foto: Reprodução/ TV TEM)Suspeitos respondem pelos crimes em liberdade após ficarem dez dias presos (Foto: Reprodução/ TV TEM)

What's Happening Recommended by Hashcore

Compartilhe com os amigos :
carregando...

Deixe um comentário: